Os perigos das Fake News

Ouvimos falar, cada vez mais, em Fake News. Embora essa prática seja bastante antiga, ela ganhou proporções muito maiores com o boom das redes sociais. Foi em 2016, nas eleições presidenciais norte-americanas que elegeram Donald Trump, que a imprensa do mundo inteiro começou a discutir o tema com mais profundidade, uma vez que vários conteúdos bastante duvidosos foram publicados em sites diversos, envolvendo, principalmente, a então candidata Hilary Clinton.

O grande problema das Fake News é que elas são trabalhadas para realmente parecerem verdades, e para serem difundidas como tal. Há empresas especializadas em produzir esse tipo de notícia mentirosa e grupos específicos para espalhar boatos. E é bastante complicado identificar as empresas que atuam nesse segmento, pois elas operam na chamada deep web, também conhecida como deepnet ou undernet, que é uma parte da web que não é indexada pelos mecanismos de busca, como o Google, não sendo visível ao grande público.

Por que se criam notícias falsas?

São inúmeras as razões para a criação de notícias falsas: atrair muitos acessos e ter lucro com publicidade digital, reforçar determinados pensamentos e, principalmente, disseminar boatos que prejudiquem pessoas notórias. Por isso, elas são usadas em campanhas eleitorais, funcionando como mecanismo de ataque a adversários e de perda de reputação de candidatos.

Na prática, para propagar as Fake News utiliza-se um robô, que tem o papel de disparar informações falsas em uma rapidez enorme, que não seria possível a um humano. A máquina encontra ajuda nas pessoas comuns, que repassam conteúdos que acreditam ser verdadeiros e, com isso, criam uma ampla rede de mentiras.

Cientistas do Massachusetts Institute of Tecnology (MIT), nos Estados Unidos,  realizaram uma pesquisa sobre o tema e constataram uma questão alarmante: as informações falsas têm 70% mais chances de viralizar do que as notícias verdadeiras. E isso acontece, entre outras coisas, porque as pessoas tendem a repassar mais as Fake News do que as notícias reais.

Como checar se uma notícia é fake?

Existem algumas técnicas de checagem de notícias e até mesmo agências especializadas nessa verificação: o fact-ckecking. No entanto, nós, cidadãos comuns, podemos realizar algumas medidas simples e evitar a propagação de notícias falsas.

Algumas dicas importantes:

– Desconfie da veracidade de uma notícia;

– Cheque a fonte da notícia;

– Leia a matéria inteira para ver se o conteúdo realmente faz sentido e confirma as colocações das chamadas sensacionalistas;

– Procure se a notícia foi publicada em grandes e confiáveis portais de informação;

– Verifique datas;

– Faça buscas pelo assunto no Google;

– Não repasse nenhuma informação sem ter 100% de confiança na sua veracidade.